sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Custo de Vida em Israel

Falar em custo de vida é algo praticamente impossível, já que isso depende fortemente do tipo e padrão de vida que se leva, além do tamanho da família. Mas, como isso é algo que me perguntam muito, vou tentar fazer uma estimativa, baseada na minha vida e na vida de pessoas que conheço.

A primeira coisa a ser entendida é que em Israel, assim como na maior parte dos países europeus não é comum se viver em apartamentos muito grandes, mas também não tão pequenos como em Tóquio (pelo menos do que dizem de Tóquio).
Por aqui se costuma dizer que o apartamento tem que ser do seu tamanho, até porque alugueis em Israel são realmente caros, sendo assim para um casal sem filhos um apartamento de um quarto e sala separado (e obviamente banheiro e cozinha) é mais do que suficiente, certo?

Assim sendo e como os preços variam muito de uma região para outra, vou fazer duas estimativas, uma para  Tel Aviv, e outra para a minnha cidade, Nazareth-Ilit, que fica no norte de Israel, na região da Galileia.


Considerando ainda que 1 shekel pelo câmbio de hoje, vale mais ou menos R$0,50. Assim sendo, para se obter um valor aproximado basta dividir os valores em shekels por 2 e você irá encontrar o valor em Reais. Ou seja:

1.000 Shekels = R$ 500,00.


________________________________________________________________________________________
Casal sem filhos em Tel Aviv:

  • Apartamenteo de um quarto e sala: Aluguel médio entre 4.000 e 4.500 shekels.
  • Supermercado: Eu chutaria por baixo uns 2.500 shekels 
  • Transporte: Depende de onde se trabalhe, mas digamos que para se trasportar dentro de Tel Aviv mesmo, ou nas cidades do entorno, o custo mensal giraria em torno de 250 a 350 shekels, por pessoa.
Contas Bimensais:
  • Arnona (imposto semelhante ao IPTU) - Varia com a região, numa área mediana: 800 shekels
  • Luz: Depende da época do ano- verão (se usar ar-condicionado) 1.400 shekels/Inverno 500 shekels
  • Água: 300 shekels
  • Gás de rua: 160 shekels. Não sei o valor do gás de botijão.
Serviços que possuem os mesmos valores em qualquer região de Israel
  • Tv a Cabo: 250 a 350 shekels, depende do plano. Existem ainda planos que incluem o telefone fixo, com este mesmo valor. 
  • Telefonia celular: Obviamente depende do plano, mas os mais básicos giram em torno de 100 shekels, se você colocar internet no seu telefone, o valor sobe um pouco e o plano muda, porém você consegue um pacote com iPhone e internet 3G por uns 250 a 350 shekels, por pessoa.
  • Internet 3G para computador: Em torno de 120 shekels

Então, considerando que esses não são os únicos custos de uma pessoa, um casal em Tel Aviv, conseguiria viver hoje com uma renda de aproximadamente 9.000/10.000 shekels por mês. Sem luxo e sem carro.


___________________________________________________________________________________________
Casal sem filhos em Nazareth-Ilit:

  • Apartamento de um quarto e sala: Aluguel médio entre 1.400 e 1600 shekels.
  • Supermercado: Eu chutaria uns 2000 shekels 
  • Transporte: Depende de onde se trabalhe, mas digamos duas pessoas trabalhando em Tel Aviv: 1.200 shekels cada uma, já para se deslocar apenas dentro da cidade ou nas cidades mais próximas ficaria entre 150/200 shekels.
Contas Bimensais:
  • Arnona (imposto semelhante ao IPTU) - Varia com a região, numa área mediana: 350 shekels
  • Luz: Depende da época do ano- verão 300 shekels/Inverno 1400 shekels, porque com certeza você precisará de aquecedor.
  • Água: 170 shekels.
  • Gás de rua: 70 shekels. O preço do botijão eu não sei, mas também é barato.
Serviços que possuem os mesmos valores em qualquer região de Israel
  • Tv a Cabo: 250 a 350 shekels, depende do plano. Existem ainda planos que incluem o telefone fixo, com este mesmo valor. 
  • Telefonia celular: Obviamente depende do plano, mas os mais básicos giram em torno de 100 shekels, se você colocar internet no seu telefone, o valor sobe um pouco e o plano muda, porém você consegue um pacote com iPhone e internet 3G por uns 250 a 350 shekels
  • Internet 3G para computador: Em torno de 120 shekels.
Então, um casal em Nazareth-Ilit, considerando que estes não são os únicos custos de uma pessoa, um casal conseguiria viver hoje com uma renda de aproximadamente 6.000/7.000 shekels por mês. Sem luxo e sem carro.

_____________________________________________________________

OBS.: Eu não incluí nos custos o que se gasta com lazer, remédios ou comendo na rua, por exemplo. Isso é uma estimativa super básica mesmo, baseada naquilo que normalmente todo mundo tem ou usa.

E lembrando que esses valores são de 2012, portanto se você estiver lendo isso em 2013, 2014 ou 2017, as coisas podem já ter mudado um pouco.

Para quem tem filhos, não precisará ter gastos extras com escola e uma série de outros cursos que são fornecidos gratuitamente pelo governo e são de excelente qualidade. Porém terão gastos com material escolar, por exemplo.

Seguro saúde é obrigatório em Israel, portanto é descontado um pequeno percentual do seu salário para isso. Aliás sobre descontos e salários eu falarei em outro post, em breve.

E só como referência, o salário mínimo em Israel é cerca de 22 shekels, por hora, o que daria, numa jornada padrão de trabalho, que seriam de 180 horas mensais, cerca de 4.000 shekels. Existe ainda uma ajuda de trasporte que varia de 300 a 600 shekels dependendo da distância da sua casa para o trabalho.  Este valor compõe o salário, não é descontado dele.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Yom Kippur - Dia do Perdão

O Yom Kippur é considerado o feriado mais sagrado do calendário judaico e por consequência é um dos dias que menos coisas funcionam em Israel.

No feriado de Yom Kippur os transportes e o comércio (quando abre) costuma fechar bem mais cedo que de costume. Esse ano por exemplo, os trens pararam por volta de onze da manhã e os ônibus às duas da tarde. Uma parte bastante considerável do comércio, que normalmente abre até a véspera, neste feriado ou não abre ou fecha até umas duas da tarde. Até muitos estabelecimentos que costumam abrir no shabbat e em outros feriados, neste dia eles fecham.

E o que é uma característica que difere este dia dos outros feriados é o fato de pararem todos os canais de TV israelenses, incluindo todos os canais de notícias, os sete canais de filme, os canais de séries e a MTV de Israel, além de todas as emissoras de rádio. É possível escutar apenas algumas rádios da Síria da e da Jordânia, dependendo do seu aparelho.
Na TV sobram apenas os canais internacionais como BBC e TVE da Espanha, entre outros desse estilo.

Outra característica bem marcante desse dia é que muitas ruas e estradas são interditadas.
Na foto abaixo, dá para ver que o coletor de lixo foi deslocado para o meio da rua para impedir o trânsito de carros.

Acho que pelas fotos dá para ter uma noção.




Nesse ano de 2012 o feriado de Yom Kippur caiu nos dias 25 (véspera) e 26 de setembro.



terça-feira, 25 de setembro de 2012

Inglês, a Muleta que Pode te Engessar ou te Turbinar em Israel

É inegável que inglês é o idioma do mundo, o que não significa que todas as pessoas do mundo falem inglês. A grande verdade é que a maior parte das pessoas que afirmam que falam inglês, falam no máximo um inglês básico.

Israelense adora falar inglês, isso não quer dizer que o Inglês da maioria das pessoas seja bom, nem significa que a maior parte das pessoas fale inglês.

Em algumas cidades de Israel você vai encontrar pessoas que falem bem inglês e até muitos nativos de inglês, mas a média da população israelense é de gente que quando fala inglês, fala o suficiente para "se virar". Portanto, se o seu inglês também for do tipo "quebra-galho", acredite você não irá muito longe.

Então vamos falar de coisas práticas, a maior parte das pessoas que me dizem que falam inglês, costumam dizer que terminaram o nível "advanced" de um curso qualquer, que no momento estão destreinadas, mas que acham que conseguem se virar. Essa é frase que eu mais leio de pessoas que querem vir para Israel.

Agora me responde só uma pergunta: o que você entende por "se virar" em inglês? O seu inglês é suficiente para comprar um sanduíche e perguntar quanto deu a conta, é isso? Bem, isso você vai conseguir fazer na maioria do lugares de Israel, quanto a isso pode ficar despreocupado. Só que isso não é viver em Israel, isso é para turista, certo?

Quando você mora num país, você precisa comprar coisas e fazer coisas que se o seu inglês e o da outra pessoa não forem pelo menos intermediário fica realmente complicado.

Por exemplo, a sua conta de luz,que deveria ter sido paga por débito automático, simplesmente não foi, o banco não pagou, e aí? você consegue ligar para o banco, perguntar o que houve e pedir para que eles coloquem sua conta em débito automático de novo? Ou o ônibus que você estava quebrou, você consegue se dirigir ao motorista em inglês (difícil vai ser o motorista falar inglês, mas enfim) e perguntar o que houve e que horas vem o próximo, ou um pouco mais simples, você está se sentindo mal e precisa ir ao médico, você consegue explicar para o médico que está sentindo dor de cabeça, dor de garganta, dificuldade para respirar e febre e ainda, consegue entender o que o médico vai te responder e ir a farmácia comprar os remédios?

Essa história de "eu me viro" é muito vaga, porque na realidade a maior parte das pessoas não tem noção do que é precisar de outro idioma para se virar. Falar inglês é mais do que saber comprar um chocolate ou ler uma embalagem de biscoitos.

Agora, o reverso da moeda, você já parou para pensar no que é possível fazer em Israel falando apenas inglês? Geralmente, nos bancos tem pelo menos uma pessoa que fale inglês, mas nos escritórios do governo, na companhia de luz, de água e coisas do gênero isso já não é uma regra. Sim, é verdade que em muitos lugares você consegue atendimento em inglês, mas normalmente é um atendimento deficitário e se você resolver ter dúvidas complexas ou fazer solicitações mais complicadas o seu atendimento vai ficando cada vez pior.

A meu ver, quando você imigra para um país que não é de língua inglesa, o inglês tem dois grandes problemas, o primeiro é que nem todo mundo que pensa que fala inglês de fato fala e o segundo é que quando você efetivamente consegue se escorar no inglês aprender o idioma local fica mais complicado.

Então falar inglês não serve para nada? Serve, qualquer coisa serve e vai verdadeiramente te ajudar no começo, o perigo do inglês é você se acomodar com ele e não aprender hebraico. Porque não é impossível viver em Israel falando apenas inglês, só não será uma vida plena.

Porém, com tudo isso, se você me pedir um conselho para vir para Israel eu te diria, estude inglês.

Incoerente? Não, racional!

Primeiro, hebraico não se aprende da noite para o dia, muito menos morando fora de Israel, segundo melhor com inglês que sem inglês e terceiro inglês é um puta diferencial para se arrumar emprego em Israel, já que existem inúmeras empresas de ambiente internacional onde você fala inglês o tempo todo dentro do escritório, mas nesse caso, inglês para se virar não serve, tá? É inglês em nível ultra-avançado, praticamente igual ao seu português.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Escolhendo a Cidade Certa para Viver em Israel

A melhor cidade ou a cidade certa para viver em Israel não é uma questão que tenha uma resposta única, vai depender de alguns fatores, mas sobretudo do seu estilo de vida.

Como eu já disse em outros posts, as cidades israelenses são todas projetadas para que você não precise nem sair do seu bairro, eu conheço praticamente Israel inteiro e posso garantir que muito difícilmente você irá morar num bairro, em qualquer cidade que seja, e esse bairro não terá tudo que você precisa.

Claro você pode morar num bairro com apenas um supermercado e não gostar dele, mas com  certeza pelo menos um supermercado, uma farmácia e um centrinho comercial com algumas lojas de roupas e de utensílios em geral vão existir no seu bairro.

Então, não há muito com o que se preocupar em relação a isso.

Eu acredito que para escolher a cidade mais adequada, você tem que levar algumas coisas em consideração:

Se você é uma pessoa religiosa (judeu praticante);
Quanto você está disposto a pagar por um aluguel;
Se praia ou balada são coisas importantes para você
Qual o nível do seu hebraico e que outros idiomas você fala;
E por fim, sua capacidade de adaptação a uma cidade mais ocidental ou mais orientalizada.

Trocando em miúdos, as duas cidades mais caras de Israel são Tel Aviv e Jerusalém, sendo que Tel Aviv é um pouco mais cara que Jerusalém, embora Jerusalém seja a capital do país.
Claro, são também as duas maiores cidades de Israel e onde estão os melhores empregos, só que Israel é um país pequeno e é extremamente comum aqui morar numa cidade e trabalhar em outra.

Só para deixar claro, Jerusalém tem cerca de 700 mil habitantes e Tel Aviv em torno de 400 mil, para quem vem do Brasil, realmente não existe cidade grande em Israel, em compensação também não existe "roça" ou "fim de mundo", todas as cidades são muito bem estruturadas.

Se praia for uma coisa importante para você, opte realmente por uma cidade de praia, porque nos fins de semana não haverá transporte, portanto você só poderá ir à praia a pé ou de táxi e táxi para trajetos longos durante o shabbat nem sempre é fácil de se encontrar.

Se você for muito vidrado em balada tente realmente morar em Tel Aviv, com certeza será a melhor opção. Em Tel Aviv é onde acontece a maior parte dos eventos de Israel, onde normalmente as atrações internacionais se apresentam. Bares e Boates tem em Israel inteiro, mas a noite de Tel Aviv é, provavelmente a melhor do país, a mais animada, a que vai até mais tarde e possivelmente a mais internacionalizada do país.

Outra coisa que você precisa levar em consideração para escolher a cidade é qual o nível do seu hebraico ou que outros idiomas você fala. Se você ainda é extremamente dependente do inglês ou se nem inglês você fala, o melhor é mesmo ficar nas cidades mais "ocidentalizadas", onde é mais fácil se virar, encontrar alguém que fale espanhol e coisas do gênero. A melhor opção são as cidades ao redor de Tel Aviv, como Ranaana, Rishoh Letzion, Rehovot, Ashdod, Ashkelon e Netanya, claro que há várias outras e, uma coisa é certa, quanto mais próximo de Tel aviv, mais caros serão os aluguéis.

Já se você for uma pessoa mais religiosa pode tentar optar pelas cidades no entorno de Jerusalém, como Beit Shemesh ou Elad, entre outras. E vale a mesma regra, quanto mais distante de Jerusalém, mas baratos o preço dos aluguéis. E lembrando sempre que quanto mais religiosa a cidade, menos as coisas abrem durante o shabbat e mais necessidade de adaptação você terá.
E só um conselho, se você não for judeu praticante, não tente começar a ser na sua chegada a Israel, será decepção na certa!

Agora, na minha modesta opinião nem Jerusalém, nem as cidades do norte de Israel, incluindo Haifa (terceira maior cidade de Israel) são muito adequadas para quem está chegando.

Primeiro porque provavelmente seu primeiro emprego será em Tel Aviv ou na região de Tel Aviv, e muitas vezes as empresas não dão emprego para quem mora longe e tem pouco tempo de Israel, segundo porque nesta região é muito mais fácil de se virar no começo sem hebraico e terceiro porque estas cidades não se parecem com cidades do Oriente Médio, são cidades ocidentais normais.

É preciso uma certa vivência de Israel para se acostumar com esse visual e estilo de vida Oriente Médio de ser, que eu amo, mas sei que não é para todos.

Eu moro em Nazaré-Ilit, acho a melhor cidade de Israel, mas vim para cá com quase dois anos de Israel, dominando o hebraico e plenamente adaptada ao país, honestamente, não recomendo essa cidade para ninguém que esteja chegando e, principalmente, se não falar hebraico (ou árabe ou russo).

De resto a escolha fica mesmo a critério do gosto pessoal de cada um.

Israel , embora pequeno, é um país de muitos contrastes e paisagens diferentes.


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Rosh HaShanah - Ano Novo Judaico

Como eu já disse outras vezes, meu objetivo é tratar dos feriados israelenses do ponto de vista prático e não do ponto de vista religioso.

O ano novo em Israel costuma ter dois dias e meio de feriado, ou seja, na véspera de ano novo por volta de três da tarde, os transportes e o comércio param e só retornam três dias depois.

Então, neste ano de 2012 o ano novo caiu em setembro. Foi feriado de 16 de setembro à tarde até 18 de setembro ao cair do sol. E como este ano o feriado caiu logo após o shabbat, foram praticamente 5 dias de feriado. As coisas só funcionaram um pouco no domingo de manhã, mas muita coisa emendou direto e só está voltando hoje dia 19 de setembro.

E nesse período do ano, as pessoas retornam ao trabalho já se preparando para o próximo feriado que será o Yom Kipur, que vai acontecer em menos de uma semana (falo sobre ele num post específico).

Ainda sobre o ano novo, eu já deixei claro aqui que, embora eu seja judia de origem não sou judia praticante, mas acho que comemorar os feriados do país, seja o país que for, faz parte de você estar integrado, querendo ou não, gostando ou não aquela data passa a fazer parte da sua vida, a isso se chama integração e adaptação. É como comemorar o Natal e o Ano Novo no Brasil, as pessoas não fazem isso por serem católicas, mas sim por serem brasileiras.

Porque a grande verdade da imigração é que num primeiro momento você se muda para um país estranho, com hábitos e costumes diferentes, mas depois de um tempo, os hábitos e costumes passam a fazer parte da sua vida e nesse momento, é o país que se muda para dentro de você.

Assim sendo, vou deixar três fotos da nossa mesa de Ano Novo, lembrando sempre que nós somos apenas dois, logo tudo é proporcional a isso. :)

Essa cesta se compra pronta, vende em qualquer lugar e é super típica  nesta data.

Mesa com o prato principal.

Mesa apenas com as frutas e doces.

Numa mesa tradicional deve ter um prato de peixe, que pode ser em salada ou em forma de bolinho, um prato principal muitas vezes de carne (no nosso caso costela de carneiro), romã, maçã com mel, é comum também uma cesta de doces, o pão de halá e um bolo de mel. Então na nossa mesa, tinha tudo menos o peixe, porque nenhum de nós dois iria comer mesmo.




terça-feira, 18 de setembro de 2012

Em Israel tem: Leite Condensado e Shampoo de Maconha

Israel é um país onde verdadeiramente se encontra quase tudo, é muito difícil pensar em um produto que não exista em Israel, pode até não ter de determinada marca, mas um similar com certeza você vai encontrar.

Vou começar esse post com uma coisa que eu só vi aqui em Israel: Shampoo de Maconha:



Não, a maconha não é legalizada em Israel e na verdade o shampoo é de hemp que é uma variante da maconha sem os efeitos alucinógenos, é um shampoo muito bom, com um cheiro delicioso de ervas e esse, no caso, é indicado para tratamento ou para evitar alergias. Mas eu comprei só por curiosidade mesmo e adorei! Se você vier a Israel eu recomendo.

E agora vou mostrar alguns produtos que as pessoas me perguntam muito se tem por aqui. E vou começar com o grande campeão de audiência, o leite condensado (rsrs). Sim, tem leite condensado em Israel, há várias marcas, quase todas russas, o que não tem em Israel é Leite Moça da Nestlé:

Duas marcas diferentes, ambas russas, mas se encontra em qualquer lugar.


Outra coisa que me perguntam muito é sobre café solúvel. Existe sim, inclusive Nescafé. Aliás café solúvel em hebraico se chama Nês:



Pão de forma, obviamente existem zilhões de marcas e obviamente todas israelenses:




E um produto que não é muito comum por aqui, na verdade só se encontra com facilidade nas cidades árabes, Caldo Maggi:


Na verdade o caldo Maggi é fabricado no Egito, como vocês podem ver a embalagem vem em árabe de um lado e em inglês de outro. Mas, encontra-se esse tipo de tempero de várias marcas em Israel, inclusive Knorr, esse sim produzido aqui (infelizmente não tenho fotos dele agora).

Coisas que verdadeiramente você não encontra em Israel, nem importado:
Leite em pó (Encontra-se apenas fórmulas infantis, tipo Nan, de várias marcas);
Farinha de mandioca;
Chocolate Nestlé (Da Nestlé aqui se encontra apenas o Nescafé e o Nestea, que agora se chama Fuzetea);
Ovo de codorna;
Chuchu.


domingo, 16 de setembro de 2012

Calendário Judaico e os Feriados em Israel

O calendário que a gente usa no Brasil e em todo o mundo para contar o tempo é o calendário gregoriano. Muita gente não se dá conta, mas este calendário é um calendário cristão/católico que marca o tempo, teoricamente, a partir do nascimento de Cristo.

Claro que este é o calendário dominante do mundo e é usado em quase 100% dos países, inclusive aqui em Israel. Obviamente que se você perguntar para qualquer pessoa na rua em que ano estamos ela vai responder sem pensar, 2012. Para dizer a verdade, a maior parte dos israelenses nem conhece direito o calendário judaico.

Mas então para que serve esse calendário?

O calendário judaico tem por finalidade marcar os feriados e outras datas importantes para Israel. Essas datas são fixas no calendário judaico, mas são móveis no nosso calendário ocidental.

Eu não vou me deter explicando o calendário judaico porque já há milhares de sites que fazem isso na internet e a finalidade deste blog não é religiosa.

Eu pretendo explicar todos os feriados de Israel do ponto de vista prático, mostrar como as datas são comemoradas, contar o que para e o que funciona, tudo sempre do ponto de vista prático.

Aí em baixo está uma figura que mostra bem a correlação entre os meses do nosso calendário e do calendário judaico:


Hoje dia 16 de setembro à noite começam as comemorações do Ano Novo Judaico (no próximo post eu falo sobre ele).

E só como curiosidade: para saber em que ano estamos no calendário judaico basta pegar o ano em que estamos e somar 3760. Se estivermos depois de setembro ou outubro (quando começa o ano novo judaico) acrescenta-se mais 1.

Então para encontrar, por exemplo,em que ano está o calendário judaico agora em 2012, ficaria assim:

2012 + 3760 = 5772

Depois de setembro (ou outubro): 5772 +1 = 5773.

E 5773 é ano que se iniciará logo mais!

Portanto como se diz por aqui:

Hag Samearh! (Feliz Festas ou Feliz Feriado)




sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Paisagens de Israel: Ashdod e o Frio

Como eu já fiz o post de Ashdod no Verão agora vou mostrar Ashdod na primavera, no outono e no inverno. Ashdod não é uma cidade muito fria, não neva, logo não existe muita variação, nem de temperatura, nem de paisagem do outono para o inverno.

Sendo assim vou colocar algumas fotos da primavera e a seguir vou colocar as fotos do outono e inverno juntas.

Na primavera, em Ashdod, as temperaturas variam de 15ºC a 18ºC graus:













Já entre outono e inverno as temperaturas costumam ficar entre 10ºC e 12ºC graus, com picos de 6ºC/7ºC à noite e em dias mais frios, além de ventar bastante. Chove apenas no inverno e algumas vezes costuma chover granizo.


Durante o outono os dias ainda são bem iluminados.


Ao fundo dá para ver as famosas construções mediterrâneas da cidade.


Durante o inverno o tempo fica bem mais cinza.


Sabadão na Praia. rsrs


Durante o inverno se vê bem menos gente nas ruas.







quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Ônibus em Israel

Embora Israel seja extremamente bem servido de trem, o transporte predominante é mesmo o ônibus.

Os ônibus em Israel, tanto municipais, quanto intermunicipais costumam ser muito pontuais, raramente um ônibus se atrasa e quando ocorre é coisa de dois ou três minutos, por isso é muito comum se ver em Israel um ponto de ônibus vazio às 10:20 da manhã e às 10:22 lotar para aguardar o ônibus que chegará às 10:24.

No começo é estranho, você pensa que horário é esse 9:11 da manhã? Ele não vai passar essa hora! Pois é, mas eles passam sim.

E para você saber que horas seu ônibus vai passar, basta você ir até a rodoviária da sua cidade e pedir a folha ou quadro de horários dos ônibus (daf shaot) ou entrar na internet e consultar o site da empresa.

Formas de pagamentos:

Existem algumas formas de se pagar ônibus aqui em Israel, dependendo da empresa ou da linha, mas em regra todo ônibus tem um valor só de uma perna da viagem, um valor para ida e volta (o ticket de ida e volta vale 24 horas e sai um pouco mais barato) e, além disso, algumas linhas e empresas possuem cartão semanal, cartão mensal e algumas ainda possuem cartões magnéticos que você carrega o valor que achar necessário e, obviamente todos estes métodos são mais baratos que a passagem individual.

O cartão magnético é legal, é feito na hora, é de graça e vem com a sua foto impressa nele.

O cartão mensal só é vantagem se você realmente fizer pelo menos duas viagens de ônibus todos os dias, aí sai bem mais barato no fim do mês.

E para quem nunca viu um ônibus Israelense por dentro:


Em Israel todos os ônibus têm ar condicionado ou aquecedor dependendo da época do ano e quase todos têm internet wi-fi, embora uma parcela enorme da população tenha internet 3G nos celulares tablets e coisas do gênero.

E para quem quiser fazer uma viagem por Israel, o vídeo abaixo é o percurso que nós fazemos todos os dias para ir trabalhar, de Nazareth-Ilit, onde nós moramos, até Tel Aviv, onde trabalhamos:







segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Vistos e Imigração Ilegal

Honestamente, eu pensei que não precisava explicar certas coisas, mas como eu recebo pelo menos uns dez e-mails por dia e quase todos fazendo as mesmas perguntas e afirmações sobre a não necessidade de visto para Israel eu me senti na obrigação de esclarecer algumas coisas.

A coisa mais importante que você precisa saber é:

Quando você lê em algum lugar que para determinado país não precisa de visto, significa apenas que você não precisa pedir visto com antecedência e nem pagar por ele, não significa que você não receberá um visto quando chegar ao país.

Em qualquer país do mundo, ao entrar você recebe um visto, uma permissão de entrada ou o que for e isto sempre terá um prazo determinado para acabar. Entenderam isso?

Quando você entra em Israel, se você não solicitar nenhum outro visto diferente enquanto estiver no seu país, ao chegar em Israel, o visto que você receberá será o Visto de TURISTA.

E o Visto de Turista tem duração de 3 meses, podendo ser renovado por mais 3 meses, depois disso você precisa deixar o país, caso você não vá embora após o seu visto expirar, você passa a ser considerado imigrante ilegal, simples assim!

Então se você quiser vir para Israel para ficar um ano ou dois, que parece ser o que a maioria das pessoas quer, você tem algumas opções:

Arrumar um emprego e pedir ao seu empregador que tramite junto a embaixada de Israel do seu país, o seu visto de trabalho (o que é extremamente difícil de se conseguir);

Vir para cá fazer uma faculdade, mestrado, curso de hebraico ou qualquer outra coisa e solicitar um visto de estudo junto à embaixada ou consulado de Israel;

Casar com um ou uma Israelense e pedir um visto de residência;

Ou por fim, arrumar um grande amigo (a) ou namorado (a) aqui que se disponha a se responsabilizar por você, por escrito, com isso é possível conseguir um visto de residência, quase tão simples quanto por casamento. E sim, isso é uma coisa super comum por aqui.

De resto, eu já falei exaustivamente sobre imigração por Aliah aqui e de outras formas de imigração aqui e ainda, sobre lei do retorno aqui.

E para os casais "grávidos" ou para as meninas grávidas que por acaso pensarem em ter seus filhos aqui, tenham certeza absoluta de uma coisa, por mais fofos que sejam os bebês de vocês eles não terão nacionalidade israelense, eles serão deportados juntamente com vocês.

E para terminar, duas fotos do Aeroporto Ben Gurion, que é o aeroporto internacional de Israel, afinal aeroporto é a primeira coisa que todo mundo conhece quando chega num país.







sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Paisagens de Israel: Verão em Ashdod

Ashdod é a quinta maior cidade de Israel e foi a primeira cidade em que moramos quando chegamos em Israel, vivemos lá 1 ano e 10 meses. Então, como seria impossível selecionar todas as fotos legais da cidade resolvi primeiro separar por estações do ano e mesmo assim foi dificílimo escolher fotos onde as paisagens aparecessem mais do que nós nas fotos. Enfim, não são as nossas melhores fotos de Ashdod, mas são as fotos em que aparecemos menos.

De qualquer forma dá para ver o quanto Ashdod é uma cidade bonita e, embora pela minha alarmante brancura seja perceptível que praia não é muito a "minha praia" (rsrs), também dá para ver que o mar mediterrâneo é super bonito.


Sapo que fica no centro da cidade




Praça com equipamentos para prática de atividade física (todo bairro tem pelo menos uma praça com esses aparelhos).

Mar Mediterrâneo ao fundo.

Dá para acreditar agora que Israel não é um deserto? rsrs.


Monumento da Marina de Ashdod.


Praça com vários bares que fica na orla da praia da foto abaixo.

Ao fundo dá para ver o porto de Ashdod que é o maior de Israel.



quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Em Israel Tem: Marcas Internacionais

Esta seção tem por finalidade mostrar que Israel é um país como outro qualquer e que hoje em dia não existe, em regra, produto desse ou daquele lugar, tudo é muito globalizado e internacionalizado e portanto, a maioria dos países exibem nas prateleiras de suas farmácias e supermercados os mesmos produtos, apenas com pequenas variações de embalagens.

Então, aí vão algumas marcas de produtos que você pode encontrar em qualquer farmácia de Israel:






Esses são alguns produtos que eu tinha em casa e sobre os quais já recebi perguntas, mas tendo curiosidade sobre outras marcas ou produtos, perguntem.


segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Fuso-Horário e Horário de Verão

O horário oficial de Israel é o GMT +2 e o do Brasil é o GMT -3 (pelo horário de Brasília)

Para quem não sabe a hora oficial do planeta é contada a partir do Meridiano de Greenwich, que fica na Inglaterra e que teoricamente é a hora zero do mundo.

Então, os países que ficam a oeste têm hora negativa em relação a Greenwich e os que ficam a leste têm hora positiva.

Trocando em miúdos, os países que ficam do lado esquerdo do planisfério são atrasados em relação a Greenwich e os que ficam do lado direito do mapa são adiantados, acho que deu para entender, né?

Dito isto, vamos falar do horário de forma prática. Tanto Israel, quanto Brasil possuem horário de verão, portanto ao longo do ano nós teremos três diferenças de horário entre Brasil em Israel.

Então, bem simplificadamente, ao longo do ano fica assim:

Quando em Israel é verão e no Brasil é inverno: São 6 horas de diferença;
Quando acaba o Verão em Israel e até que comece o horário de verão no Brasil: São 5 horas de diferença;
Quando começa o horário de verão no Brasil: São 4 horas de diferença.

Lembrando que em Israel o horário é sempre a mais, então por exemplo quando no Brasil for meio dia em Israel serão seis da tarde (no verão daqui).

OBS¹: Antigamente o horário de verão começava e acabava junto com o verão, mas com a recente mudança da lei, o horário de verão em Israel passou a ter mais tempo de duração e a se estender além da estação do verão.

E uma foto linda do pôr do sol, mostrando que o verão já vai se despedindo por aqui, uma vez que o sol começa a se pôr mais cedo.

Foto tirada às 19:15 da noite, da Janela do meu apartamento em Nazaré,  região da Galileia.

Aliás uma coisa que eu ainda não falei, no auge do verão o sol se põe por volta de oito da noite e no auge do inverno o sol se põe em torno de quatro da tarde. Coisas do hemisfério norte! :)


OBS²: Horário GMT ou UTC, na prática é a mesma coisa, mas o GMT é mais frequentemente usado no dia a dia.




sábado, 1 de setembro de 2012

Paisagens de Israel: Rio Jordão

O Rio Jordão por si só dispensa qualquer comentário, porque sem dúvida é um dos lugares mais lindos do mundo. De acordo com o Cristianismo teria sido no Rio Jordão que Jesus foi batizado por João Batista e, segundo especialistas, o local exato do batismo teria sido exatamente nas imediações do Kibbutz.

O Rio Jordão passa dentro de um Kibbutz, na cidade de Tibérias, norte de Israel (a mais ou menos 40 minutos da minha casa)

Agora com sinceridade, independente de religião, vejam as fotos e me digam é ou não um lugar que vale a pena ser visitado pelo menos uma vez na vida:

Entrada do Kibbutz.









Meu marido e eu.


Todos os anos milhares de pessoas vem até Israel apenas para se batizar no Rio Jordão. Dentro do Kibbutz tem uma lojinha (infelizmente não tirei fotos) com uma série de produtos, como artesanatos, bíblias, torahs, até joias de ouro e prata mesmo. A maior parte das coisas não vale a pena comprar lá, é muito caro e se encontra quase tudo que vende lá no centro de Nazaré ou no centro de Tibérias.

No mais, as fotos dispensam qualquer outro comentário, né?


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...